terça-feira, abril 13, 2010

I

Cala-se o grilo solitário
por falta de assunto.
A madrugada nem sempre faz barulho.
O brejo está distante;
os sapos, não se ouvem de aqui.
Passos no asfalto,
somente os das sombras notívagas;
os bêbados dormem sem roncar.
Hoje até o vento colabora com o silêncio
descobrindo o céu num sopro manso.

Hoje tem Blog de 7

4 comentários:

Í.ta** disse...

que seu verso não se cale nunca.

beijo

Elton Pinheiro disse...

A "falta de assunto" é um dos maiores temas, e dos mais difíceis e caros. O tema intenso serve à poesia e raramente aos poemas. O teu, articulado logo de início, usa a mansidão pra desarmar o silêncio, ou aceitá-lo. Bela escrita. Os outros poemas também gostei.. primeira vez que venho por aqui.

abraço, parabéns,
Elton

J.F. de Souza disse...

nessas raras horas
apreciar o silêncio

: A Letreira disse...

eu acho que você é a parte inteira...